Sabor

clique aqui

Documentário “O Sabor da Despedida”

2010-03-02 02:03:09

[Sinopse]

Portugal prepara-se para perder o último troço de vida selvagem.

Depois de milhões de anos a traçar o percurso até ao Douro, o rio Sabor, em Trás-os-Montes, fica refém da estratégia energética do país.

A construção da Barragem do Baixo Sabor (em alternativa ao Baixo Côa) vai inundar milhares de espécies, muitas delas protegidas. A albufeira vai atingir quatro municípios e guardar água suficiente para encher mais de 600 estádios de futebol.

Em 2013 nada será como antes e os 40 kms da albufeira a ser criada, e amparada por um muro com mais de 120 metros, apaga as memórias de uma região ligada à terra que a sustentou durante muitas décadas.

A nível natural há espécies endémicas que não poderão ser recuperadas e tudo aponta para que o espelho de água que aí vem não poderá ter aproveitamento turístico.

A nível energético passa a ser possível retirar água do Rio Douro e guardá-la a montante no Sabor para ser usada sempre que a pressão na rede eléctrica justificar.

O rio vai muitas vezes correr ao contrario, mas à mercê do que a EDP entende ser um armazenamento estratégico de água. Durante mais de um ano todos os passos deste processo foram registados.

Realização: Arminda Sousa Deusdado

Reportagem e Guião: Ivo Costa

Direcção de Imagem: Sérgio Morgado

Edição: Joana Deusdado

Produção: Farol de Ideias


___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

COMUNICADO DE IMPRENSA
Decisão do Supremo Tribunal
Administrativo contraria a EDP sobre a
Barragem do Baixo Sabor

As associações que integram a Plataforma Sabor Livre (PSL) recebem
com optimismo a recente decisão do Supremo Tribunal Administrativo,
que vai contra as pretensões da EDP. Esta tentou evitar a análise da
providência cautelar apresentada pela PSL em relação à validade da
Declaração de Impacte Ambiental (DIA) da construção da barragem do
Baixo Sabor. O Tribunal veio agora recusar o recurso da EDP.

O referido tribunal analisou a Providência cautelar e o recurso da EDP, tendo
concluído que à EDP não assiste razão. Como principal consequência, o
Tribunal terá mesmo de se pronunciar sobre a validade da DIA. Recordamos
que desde a instauração deste processo, antes do início das obras, os juristas
da PSL apontaram a caducidade da DIA, o que obrigaria a novo estudo de
impacte ambiental.
Por outro lado, apesar da decisão favorável à PSL, lamenta-se que a análise
de um recurso a uma providência cautelar seja tão morosa, tendo tardado
vários meses a Decisão, a qual aguardamos com expectativa. Entretanto, as
obras no terreno continuam, consumando o facto antes do tribunal se
pronunciar.
A PSL considera que, apesar de a EDP ter dado início às obras de construção
da barragem, é ainda possível, através dos processos judiciais em curso e das
diligências efectuadas junto das instâncias comunitárias, evitar a destruição
dos habitats protegidos do Sítio de Importância Comunitária e Zona de
Protecção Especial do Sabor.

Lisboa, 06 de Novembro de 2009

Plataforma Sabor Livre

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s