Caso de estudo: populações afectadas pela barragem do rio Tua

4 12 2007

 

 

“Sentada à porta de casa, atenta à conversa, Adelina da Conceição, de 84

anos, não escondia a “tristeza” de ver acabar “o que de mais bonito tem a

aldeia”. Há vários anos que esta mulher, com enormes dificuldades de

mobilidade, não usa o comboio, mas recorda que em tempos “era a alegria da

terra”. “Estavam sempre a passar e estava sempre a chegar gente do Porto e

de Lisboa, não havia tantos carros”.

 

(…)

 

Integrada na Região Demarcada do Douro, a freguesia de Sobreira (Murça) vai

ver boa parte das vinhas e olivais inundada se a barragem for construída. A

população nem quer ouvir falar do assunto, convicta de que se “os Grandes”

quiserem os pequenos agricultores não têm força suficiente para travar o

empreendimento. Os residentes estão indiferentes à submersão da linha de

caminho de ferro mas não à inundação “da terra que dá sustento à freguesia”.

 

Na aldeia há 11 crianças ainda a frequentar a escola primária, o que mostra

que casais jovens ainda ganham a vida na agricultura. “Eu fico doente só de

pensar que nos querem inundar tudo”, lastimou Maria Olivete, uma residente.

“As melhores vinhas e as melhores terras ficam de baixo de água, depois

quero ver do que vivemos”, acrescentou.

 

Em tom irónico, uma vizinha, Maria dos Remédios, apontava para o “monte do

barro”, um monte argiloso, visivelmente infértil para a agricultura e dizia:

“Vamos plantar as vinhas e fazer as hortas ali”. Até as hortas que garantem

a colheita das batatas, feijões e couves, vão ficar debaixo de água. “Eu não

tenho nada mas os vizinhos sempre me vão dando uma folhinhas de couve e umas

batatinhas, depois quem mas dá se ficam eles sem sítio para as colher?”

questionava, aos 80 anos, Maria do Céu.

 

Henrique Risca, outro habitante da aldeia, entre insultos aos governantes,

desfazia-se em lamentações: “Dizem que pagam os terrenos mas não dão o que

eles valem, é de lá que tiramos todo o nosso sustento”. “Eles (governantes)

têm todos, as panelas bem cheias e nós, quem nos vai dar de comer?”.

 

Os moradores preferem nem pensar no assunto, para evitarem a emoção e a

antevisão de dias pouco risonhos. “Nem sei como nos podem fazer uma coisa

destas, aqui só se vive do vinho, do azeite e da horta que nos enche a casa,

se não nos deixam terrenos o que fazemos?”, continuou Maria Olivete.

 

(…)

 

Movimento cívico na defesa da linha do Tua

 

Em Outubro de 2006, um grupo de cidadãos de todo o país reuniu em Coimbra e

decidiu criar o Movimento Cívico pela Linha do Tua (MCLT). Este grupo tem

como missão “viver e divulgar a linha”, no sentido de promover a sua procura

e utilização. Duarte Conde, um dos elementos do MCLT, afirmou que pela

Europa fora se fala deste percurso de apenas 58 quilómetros, como “a linha

de montanha mais emblemática do país”. A paisagem agreste, com enormes

ravinas que servem de moldura à linha, torna este percurso magnífico.

 

(…)

 

A EDP detinha a concessão para a construção e exploração do empreendimento

há 47 anos. Nos últimos anos e porque o prazo da concessão (por 50 anos)

estava quase a terminar, ainda desenvolveu estudos e reuniu com os

responsáveis municipais, com o intuito de avançar com a obra.

 

 

 

Fonte:

Mirandela on-line 

http://www.mirandela-online.net/ 

 

 


Ações

Information

2 responses

17 06 2008
natalia

vao destroir um lugar de encanto, aonde passei a minha juventude.

6 12 2008
Antonio Risca

sou natural de sobreira e a viver no luxembourgo, com a barragem vão destroir vinhas uma é minha onde os meus pais trabalharam toda a vida e estes senhores não olham a meios para destroirem tudo o que custou tanto a outros, estou com a gente da sobreira.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s